6. EVIDÊNCIA EMPÍRICA

ECV (1990) é uma teoria com raízes no Lamarckismo e Vitalismo. Embora seja uma teoria geral, os argumentos às vezes se referem ao homem como sendo mais didático.

Independentemente das repercussões filosóficas, a Evolução Condicionada da Vida –ECV– contém propostas científicas. Alguns deles posteriormente verificaram e admitiram.

Apresentamos as propostas da ECV em sua formulação e conclusões, discutidas ao longo deste livro e listadas nas seções Variabilidade genética e Mecanismos de evolução.

Vejamos as evidências científicas dos mais notáveis:

  • Transmissão de informação genética

    Foi postulado por Lamarck e demonstrado por Mendel. A comunidade científica demorou 50 anos para reconhecê-lo e integrá-lo ao Neodarwinismo. Esse atraso se deve ao fato de que a transmissão genética de todas as peculiaridades da configuração do novo ser sustenta 100% a teoria de Lamarck em relação à da seleção natural.

    A combinação de Mendel faz a distinção entre caráter herdado e predestinado. Embora todas as instruções necessárias para o novo ser sejam transmitidas, elas nem sempre são as mesmas.

    Outra forma de dizer isso seria a famosa "Herança de caracteres adquiridos".

    A evolução do homem é consequência do desenvolvimento dos genes ao longo da vida dos indivíduos –ECV.

    Essa transmissão completa também foi adaptada ao darwinismo moderno, trazendo a seleção natural ao nível celular.

    No entanto, os caracteres não são adquiridos por acidente ou por métodos puramente aleatórios, mas também por melhorias elevadas. A intencionalidade decorre de modificações muito complexas e lógicas em uma única geração.

    Recentemente, a doutrina tenta manter o darwinismo misturando os conceitos da epigenética –desenvolvimento da informação genética condicionada ao meio ambiente e transmissão por meio do RNA ao invés do DNA. Como se Darwin tivesse admitido a herança de caracteres adquiridos fora ou dentro do DNA!

    Por outro lado, este ponto implica a existência de um mecanismo de transmissão das modificações da informação genética das células normais para as células reprodutivas.

    Provas:

  • Garantir a viabilidade da prole

    Existem dois métodos principais: a produção de descendentes abundantes com pequenas variações e a diferenciação sexual em organismos complexos.

    O primeiro usa processos aleatórios e justificou o darwinismo, embora não houvesse provas de que esses processos não foram preparados de antemão. Da mesma forma, a loteria moderna é aleatória e, claro, projetada pelo homem.

    Foi tão exagerado em seus primeiros dias que as modificações genéticas foram consideradas mutações aleatórias com Darwin, e que foi cientificamente comprovado. Então eles são randomizados apenas em certos pontos e, ultimamente, nem são chamados de mutações, mas o darwinismo ainda prevalece na teoria da evolução.

  • Diferenciação sexual

    É o segundo grande método de garantir a viabilidade mencionada. Não elimina os processos aleatórios, mas é difícil justificar com eles a sua complexidade e, sobretudo, permite verificar aspectos específicos de natureza lógica ou não aleatória típicos dos sistemas de impulsos vitais.

    Os mais proeminentes são:

    • Um sexo transmite uma cópia viável do genoma

      Não apenas uma cópia, mas muitas vezes mais cópias de certas partes do genoma são duplicadas, triplicadas ou incluídas. –ECV.

      Provas:

    • Também o mesmo sexo se especializou na tecnologia de materiais e no desenvolvimento inicial da prole –ECV.

      Provas:

    • O outro sexo é especialista em melhorar a informação genética transmitida –ECV.

      Provas:

    • Função de filtro de modificações genéticas –ECV

      Nos humanos e seguramente em todos os animais superiores, os filhos de um irmão com a sua irmã são viáveis, mas com graves problemas, seguramente causados pela falta de verificação das variações genéticas com uma fonte realmente externa. Este fato também nos daria uma ideia da grande quantidade de variações que se produzem numa só geração contra aquilo em que se acredita normalmente.

    • Método de verificação lógica de informações –LoVeInf

      Não é um filtro lógico para procurar erros, mas sim para usar as duas fontes de informação com seletores lógicos, como adição ou interseção, para obter resultados diferentes.

      O caráter científico do método LoVeInf é deduzido não só do Estudo EDI, mas também dos múltiplos experimentos não realizados, mas possíveis como Darwinotro e Menssalina, e outros sobre habilidades cognitivas na medida em que haja indicadores com os modelos propostos pela Teoria Cognitiva Global, que estuda as previsões do –ECV em seu campo.

      Provas:

    • Definição do significado dos genes –ECV

      A maior precisão da função dos genes dominantes e recessivos causa uma nova definição. Dependendo de como o método LoVeInf é aplicado, o mesmo gene pode se comportar como dominante para uma função e como recessivo para outra.

      Também pode ser que uma característica exija que ambos os pais a transmitam; ou que a parte significativa é a parte comum recebida dos pais.

      Provas:

    • A natureza hereditária da inteligência (r² até 0,99 em grupos de 10 pessoas) e importância do cromossomo com o menor potencial intelectual para este caso –ECV.

      Provas:

       
    • Efeito da inteligência na seleção sexual –ECV

      A demonstração foi realizada incorporando uma hipótese adicional sobre a seleção sexual no modelo estatístico do Estudo EDI em setembro de 2002.

      A figura mostra o gráfico do ajuste impressionante do modelo com dados reais e com dados calculados de acordo com o ECV e a hipótese adicional.

      Provas:

       
    • Congruência com aspectos importantes da história das civilizações humanas

      Provas:

    • Base biológica da capacidade de linguagem

      Certas teorias ou correntes sustentam a visão da ECV no assunto e desenvolvidas na Teoria Cognitiva Global. Esta base foi claramente defendida por décadas e agora estão sendo descobertas sequências particulares de DNA que a afetam.

      A linguagem evolui e nem todas as línguas têm o mesmo número de palavras ou a mesma precisão quando se trata de expor conceitos complexos, como regulamentos legais.

      Provas:

  • Evolução em forma de espuma e não de árvore –ECV

    A forma de espuma é equivalente à possível inexistência do elo perdido porque os saltos evolutivos são normalmente produzidos pela combinação de duas ou mais linhagens genéticas diferentes.

    A comunidade científica levou 30 anos para reconhecer que Neandertais, Cro-Magnons e outras subespécies cruzavam.

    Provas:

  • Simulação com algoritmos genéticos de ECV

    O jogo de bilhar gratuito Esnuka (1992), permite uma assimilação intuitiva de novos conceitos.

    Costuma-se dizer que algoritmos genéticos computadorizados para a evolução confirmam a teoria de Darwin. Nesse caso, como poderia ser de outra forma, eles confirmam a ECV, já que os algoritmos genéticos programados são deles.

    A única diferença é que parece não haver algoritmos darwinianos simulando com sucesso a evolução da inteligência.

    Provas:

  • Mecanismos não darwinianos

    Os avanços da biologia e genética estão proporcionando conhecimentos que dificilmente se enquadram na teoria da Seleção Natural ou em suas muitas atualizações. Eles nem mesmo se enquadram na Teoria Sintética da Evolução, apesar de seu nome parecer integrar o que é necessário para manter a filosofia darwiniana.

    Os seguintes mecanismos não são expressamente mencionados pela ECV, mas são mencionados de forma genérica ao afirmar no terceiro ponto da sua formulação: “Os sistemas, métodos ou processos de evolução são múltiplos, configurando-se para cada caso com base em determinadas condições (e não apenas ambiental, mas também lógico) ”

    Provas:

Convém assinalar que certas inovações de caráter científico podem ter consequências filosóficas, ou seja, aspectos considerados filosóficos numa época podem passar a ser científicos noutra posterior ou vice-versa, mas a comunidade acadêmica necessita de tempo para sua assimilação e muito mais para sua transmissão para sociedade em geral.

Além disso, implicar uma mudança radical da teoria geralmente aceite no presente supõe uma barreira importante, como aponta a sociologia da ciência de Thomas Kuhn.

Correndo o risco de fazer repetições redundantes, demorou quase 50 anos para o reconhecimento e incorporação das leis de Mendel na teoria dominante, a mistura de Neandertais e Cro-Magnons cerca de 30 anos, e o heliocentrismo de Galileu não temos certeza porque foi há muito tempo.

Os atrasos mencionados se devem a aspectos sociológicos e emocionais que retardam a discussão científica.

É possível que com o Darwinismo Social ou com o livro "The Bell Curve", de Herrnstein e Murray, algo semelhante aconteça ao propor concepções evolucionistas que não agradam a certas ideologias idealistas. Um idealismo que não impede acusar posições científicas de verdadeiras barbáries ou pensar que os Cro-Magnons não tinham nada melhor a fazer do que exterminar os Neandertais.

De qualquer forma, nada acontece, não é a primeira vez nem será a última que essas atitudes ocorrem.

Como a própria vida!