3. Tipos de memória

Em seguida apresentam-se várias classificações ou tipos de memória em função de critérios diferentes.

A referida apresentação não tem caráter exaustivo nem exclusivo. Alguns tipos de memória não aparecem e tipos de memória mencionados poderiam aparecer em várias classificações mas, tentei manter uma exposição o mais clara possível.

Sabe-se que a memória tem diversos graus de retenção temporal da informação. Dados que a nossa memória nos proporciona, desaparecem com o passar do tempo. Outra informação custa-nos mais a localizar na nossa memória e não é tão exata como era antes. Outra, não só não é exata como também podemos notar que, na verdade, estamos a reconstruir a informação a partir de uns poucos dados, etc.

Vejamos cada uma destas classificações e os seus tipos de memória com maior detalhe.

 
 

3.a) Processos cognitivos conscientes

3.a.1. Memória geral

Estará composta por toda a informação que é acessível em tempo real, imediatamente. Ainda que possa parecer o contrário, esta memória é muito grande, nela encontra-se toda a informação que utilizamos constantemente na nossa vida diária, vejamos alguns dos seus tipos de memória ou componentes principais:

  • A informação normal, como onde estão situadas as coisas, tarefas pendentes, rotinas, etc.

  • Os preconceitos, que conformam uma parte do nosso caráter ou personalidade.

  • Os programas de respostas automáticas que se carregam num curto período de tempo quando acordamos. A memória linguística e outras especiais também formariam parte desta memória instantânea quando se ativaram.

  • Programas de resposta automática especiais como conduzir ou o correspondente a situações de perigo, que se carregarão quando se considere que se vão utilizar.

  • A memória de trabalho associada ao funcionamento da lógica ou inteligência. Esta é muito reduzida e o seu funcionamento ótimo implica a utilização de 3 ou 4 variáveis simultaneamente, quando pensamos num conceito e efetuamos operações lógicas com mais de 5 variáveis custa-nos muito tempo avançar.

  • A memória auxiliar de trabalho, que corresponderia a todas as variáveis que estão disponíveis para situar-se na memória de trabalho operativa citada no parágrafo anterior. A esta categoria pertenceria toda a informação que sabemos sobre o tema em que estamos a trabalhar.

Esta configuração, pelo seu automatismo, permite a realização simultânea de diversas tarefas; poder-se-ia assimilar o consciente humano com a interface do computador e o inconsciente com programas residentes na memória instantânea. Portanto, quanto mais se automatizem os processos cerebrais ou os programas de computador, mais livre ficará o consciente humano ou a interface com o programa será mais simples e intuitivo.

Programa de conduzir
Ligação da auto-estrada

Esta simplicidade, no entanto, vem acompanhada de uma desvantagem que é bom ter em conta. O automatismo dos computadores faz com que, em determinadas ocasiões, não saibamos exatamente o que fizeram nem por que. Será sempre necessário ter uma cultura geral ampla do comportamento dos computadores e a única forma de alcançá-la é com a prática e com o tempo.

Uma questão diferente, mas relacionada, é a comunicação do inconsciente com o consciente através dos sonhos. Ele geralmente usa imagens sobre preconceitos que o consciente entende; mas também usa imagens sobre eventos recentes que ainda estão na memória de curto prazo e, dessa forma, o consciente também os entende.

3.a.2. Memória especializada

Nesta categoria podemos incluir os tipos de memória especiais por se carregarem automaticamente na memória instantânea e, ao mesmo tempo, fazer parte da memória a longo prazo, mas sem se encontrar tão comprimida como esta, e por ter os seus próprios sistemas multidimensionais de referência.

A memória linguística, certa memória visual, o arquivo dos preconceitos e programas pré-estabelecidos de respostas rápidas como as emoções, seriam exemplos típicos de memórias especializadas.