3.c) Conceito e definição de movimento

No apartado anterior vimos o conceito de espaço e a natureza do tempo de acordo com a Física Global e a diferença em relação à Teoria da Relatividade.

Também tínhamos visto que o conceito de movimento necessitava de um terceiro elemento, que será precisamente aquilo que muda de posição no espaço com o passar do tempo. Esse elemento deve, portanto, ter natureza material e a Mecânica Global descreve como a estrutura reticular da matéria ou Éter Global de que é formado todo o universo, elástica e inquebrável, e que émeio de suporte da gravidade –éter gravitacional–, da massa e da energia cinética –éter cinético.

Éter Global Suporte da gravidade, energia cinética e massa
Desenho do Éter Global ou cinético com simetria total

Em definitivo, a definição de movimento será a deslocações do Éter Global, ou algumas das suas propriedades internas –como o éter luminoso– no espaço euclidiano com a passagem do tempo absoluto.

Quero sublinhar a importância do conceito de propriedades internas mencionado na definição do movimento. O desenvolvimento inicial da Mecânica Global parecia não necessitar de elementos internos do Éter Global, mas, pouco a pouco, foram aparecendo partes ou sub-elementos do Éter Global para fazer possível as suas propriedades intrínsecas de elasticidade.

O importante é manter a lógica do raciocínio científico, qualquer propriedade do Éter Global, seja interna ou de um estado de agregação, deve estar apoiada nalguma característica real, material ou física. Caso contrário, estaríamos falando de propriedades fictícias ou inexistentes. Por outras palavras, o fato de que a mecânica sub-reticular não se tenha apresentado ainda não significa que não exista, pois não deixará de ser um aprofundamento da Mecânica Global, como esta o é da mecânica de Newton.

Éter Global e massa
Desenho de massa no Éter Global ou Cinético

Agora podem observar-se as diferenças do conceito de movimento na Dinâmica Global com o das Leis de Newton. Entre elas podemos destacar as seguintes:

  • A nova definição de movimento refere-se à Éter Global ou à estrutura reticular da matéria enquanto que as Leis de Newton se referiam ao movimento da matéria normal.

  • A Dinâmica Global aplica o mesmo conceito de movimento às distintas situações em que se produz e, em consequência, segue regras diferentes. As Leis de Newton não contemplam as deslocações do Éter Global, supunham o movimento sobre um espaço totalmente vazio e só se cumprem parcialmente num espaço cheio de Éter Global.

  • A maior amplitude do conceito de movimento na Dinâmica Global elimina a necessidade das forças fictícias.

A Lei Fundamental da Dinâmica de Newton estabelecia a força como uma relação entre a massa e a variação do ritmo de movimento, em definitivo uma relação entre a massa e a energia. De outro ponto de vista, a Teoria da Relatividade de Einstein determina quantitativamente a referida relação como uma constante, mas relativiza as unidades da mesma, ou seja, o segundo e o metro, e introduz uma função que muda a massa de repouso matematicamente.

A Dinâmica Global mantém e generaliza a relação entre a massa e a energia, flexibiliza a sua quantificação em função das condições. Também reconhece distintas formas de se manifestar essa relação, que definirão os distintos tipos de movimento.

A definição de movimento com um espaço euclidiano e um tempo absoluto torna possível um conceito de velocidade independente da energia e da gravidade.

A realidade não depende do observador e as magnitudes de velocidade, força, aceleração ou energia não são mais que propriedades do Éter Global nos seus distintos estados de agregação.